É difícil imaginar alguém criando seu bebê precioso, mas se algo acontecer com você e seu parceiro, você quer ter certeza de que seu filho está nas melhores mãos. É por isso que os pais devem escolher um responsável legal – a pessoa que criaria o filho se os dois pais morrerem antes que a criança complete 18 anos. 

Não acha que está pronto para a tarefa? Não escolher um tutor significa que os tribunais escolherão um para você – e pode não ser a pessoa que você considera melhor, por isso, agilizar uma certidão de tutela e curatela sp.

Embora ninguém possa lhe dizer o que é mais importante, há muito em que pensar, enquanto você e seu parceiro refletem sobre os possíveis candidatos. 

Sim, você quer alguém que ame e cuide de seu filho tanto quanto gostaria, mas também alguém responsável, no trabalho, em casa e com dinheiro. Você também deve escolher suplentes, caso sua primeira escolha seja incapaz ou não esteja disposta a fazer o trabalho.

Aqui está o que mais você precisa pensar ao escolher um tutor:

Não escolha automaticamente dois. 

Muitos pais tendem a gravitar em direção a um casal quando escolhem um tutor para o filho. Afinal, um casal parece mais estável do que um solteiro que balança.

 Mas pense com cuidado: o divórcio acontece com o melhor dos casais; portanto, você pode escolher uma pessoa. Ou decida com antecedência qual pessoa criaria seu filho caso o casal se separasse. Pense também nos filhos do casal: seu filho se encaixará na família ou se perderá na confusão?

Considere valores. 

Você quer que seu filho seja criado em uma determinada religião? Então a fé pode ser importante na hora de escolher um guardião. Você também pode levar em consideração a moral, as visões educacionais e o estilo dos pais de seus possíveis guardiões.

Não descarte parentes distantes. 

Pense em onde mora seu potencial guardião e se uma mudança para outra cidade ou estado deixaria o mundo do seu pequeno de cabeça para baixo.

Pode parecer terrivelmente perturbador para o seu filho ser arrancado de tudo o que sabe: mas se a melhor pessoa para o trabalho mora em outro lugar, provavelmente vai dar certo. Além disso, a maioria das crianças é resiliente quando se trata desse tipo de mudança.

Leve em consideração a idade e a saúde. 

Você pode querer selecionar seus pais (os avós podem ser excelentes guardiões), mas eles podem ser velhos demais para correr atrás do bebê (ou não conseguirão lidar com as demandas de um adolescente). 

Figura em fatores financeiros e familiares. 

O seu tutor em potencial possui uma casa, tem um bom emprego ou trabalha em um campo que exige muitas viagens? Você tem que pesar todos esses fatores. Até que ponto seus possíveis guardiões se dão bem com seus pais, sogros ou outros parentes? 

Você pode pensar que seu filho poderia morar com sua irmã do outro lado do país, mas se for um espírito livre em relação à carreira dela, convém considerar alguém um pouco mais firme.

Sou Ana Marcela, e criei o blog em março de 2018, numa época onde ele era apenas um hobby aleatório e eu trabalhava em uma operadora de telemarketing. Ele surgiu com o intuito de suprir minha carência de falar de assuntos femininos em meio a um trabalho nada glamouroso, onde se falava de tudo, menos do que eu mais queria.

Todos os direitos reservados – Baaphonico 2019

meus e-books